Sound like this!


frYars by sweetromancer
março 30, 2009, 3:21 am
Filed under: Uncategorized | Tags: , , , ,

fryars

Contradição. Essa é a palavra que você precisa conhecer pra entender e definir frYars aka Ben Garrett. É da Inglaterra que vem esse rapaz de 20 anos, de inocentes cachinhos e uma voz de barítono que você jamais julgaria pertencer a alguém com o biotipo dele. Mas repare no olhar, ele diz muito sobre a produção de Ben.  

A principal característica de Garrett é a produção de músicas com a suave melodia do piano, um ar romântico, inocente, até mesmo um toque clássico como é o caso de The Ides. Tudo isso combinado com letras que simplesmente não pertencem a tais acordes. Em The Ides ele expressa decepção, ódio – “you should’ve died that very night/ good job for you i wasn’t born a killer” – mas se você não entendesse o que ele diz, suspeitaria disso? O vídeo da música poderia dar uma dica sobre o conteúdo, mas com bailarina e tudo ainda é um paradoxo só.  

Essa foi a primeira expressão oficial do que seria frYars, lançada no EP homônimo em 2007, juntamente com mais outras três faixas: Chocolate, Happy e Madeline. Não se deixe enganar pelos nomes, não há muita doçura nelas não, pelo menos não nas letras. Digo que foi oficial porque antes desse EP houve uma demo chamada “The Rise of Jack and Chloe” que nunca foi lançada, mas que já continha uma boa amostra do trabalho dele.       

Em 2008 ele mostrou que não vai sossegar enquanto não conquistar seu espaço e, então,  foi lançado um novo EP – “The Perfidy” – também com 4 faixas: Olive Eyes, Benedict Arnold, The Novelists Wife e Benedict Remixed. O destaque é Olive Eyes, repetindo a mesma fórmula: melodia doce e pop + letra nada politicamente correta – “you have a womb/ you shall deliver me a boy”.     

frYars – Olive Eyes [download]

Agora frYars está de volta e dessa vez trazendo reforço, Dave Gahan do famigerado Depeche Mode acompanha o garoto na faixa “Visitors”,  que vem anunciar a chegada do primeiro albúm: Dark Young Hearts. Acho o nome bem apropriado julgando o trabalho que foi apresentado até agora.    

Ao que parece o albúm traz poucas surpresas e na verdade é a reunião de tudo o que ele ja lançou, incluindo as faixas da demo “The Rise of Jack and Chloe“, mas ainda sim com algumas faixas inéditas, como a própria Visitors.     

Essa é a provável tracklist, mas não foi confirmada ainda:  

  1. Visitorsfryars31
  2. Lakehouse
  3. Olive Eyes
  4. The Ides
  5. Of March
  6. The Novelist’s Wife
  7. Benedict Arnold
  8. Happy Madeline
  9. Bedtime
  10. Horse or Man
  11. Polystyrene
  12. The Box
  13. Atoms for Peace
  14. Groves
  15. Chocolate
  16. The Rise of Jack and Chloe
É bom dizer que ele também faz remixes, como os que fez pra Felt Tip(fryars remix) do Love is All e Sunset Blvd(fryars remix) do Pacific!       

Então minha gente, frYars vem confirmar aquele velho ditado que diz “as aparências enganam”, mas também vem pra nos deixar encantados com sua voz, sua música  e seu talento. Logo, você vai notar que é fã dele, pode apostar.



Daniel Merriweather – Love & War by ThiagoAugusto
março 29, 2009, 5:14 am
Filed under: Review | Tags: , , ,

Lembra daquela versão que fez bastante sucesso em 2007 do produtor Mark Ronson pra “Stop Me” original dos Smiths?

Então, o vocal era do australiano “Daniel Merriweather” que agora está lançando seu primeiro álbum chamado “Love & War”, pela própria gravadora de Ronson. E vem pra somar na lista de mais agradáveis do ano de se ouvir, saca daqueles pra acordar e botar o álbum pra rolar? cantar junto? e até arriscar uns passinhos de dança… O som do álbum vai de r’n’b/pop/soul, fazendo apresentação do álbum vem “Impossible” animada, dançante, refrão forte, cumprindo muito bem seu papel. “Could You” mantém o clima pra cima, cheia de backing vocals, percursões, baixo bem trabalhado, aliás, essa faixa me lembra “California Dreamin”.

daniel

“Change” primeiro single e favorita, participação do rapper “Wale”, batidas de hiphop seguidas por pianos e no refrão Daniel cantando que nada vai mudar, se não fomos a luta. “ain’t nothing gonna change, ain’t nothing, gonna change, if nobody’s gonna wake up and start acting whose incharge”. “Water and a Flame” dramática, linda, com participação marcante da cantora “Adele”, possível segundo single. “Now you’re gone, theres nothing else I want. Now that it’s over, There’s nothing else I want.” “Getting Out” mais um belo trabalho aqui com pegada funk, 70´s, ótima levada. Resolvi dar essa dica do álbum porque tem tocado bastante por aqui, quando estou decidindo que álbum ouvir ele anda falando mais alto, produzido pelo hypado e ótimo produtor Mark Ronson que já produziu Amy Winehouse, Lily Allen e Robbie Willians. E como já citei no começo é o típico álbum pra você dar um relax de manhã, chegando do trabalho, ouvir no carro, que vai fazer você sentir vontade de sorrir, chorar, cantar e dançar. Rotulado num estilo que anda um pouco saturado nos tempos atuais, mais que quando é feito com sinceridade e talento, temos um álbum como “Love & War”.

Daniel Merriweather – Impossible

Daniel Merriweather – Could You

Daniel Merriweather – Water and a Flame

Tracklist:

01. Impossible
02. Could You
03. For Your Money
04. Chainsaw
05. Change
06. Water and a Flame
07. Cigarettes
08. Red
09. Getting Out
10. Not Giving Up
11. Live By Night
12. All of the People
13. Giving Everything Away for Free

danmerri1

Thiago




DJ Koze – Reincarnations – The Remix Chapter 2001-2009 by ThiagoAugusto
março 28, 2009, 5:07 am
Filed under: Review | Tags: , , , , ,
4415

Não ia escrever sobre esse álbum agora, mais depois de passar a noite ouvindo, sou obrigado a registrar o quão foda é essa compilação.
“Reincarnations – The Remix Chapter 2001-2009” do aclamado e ótimo dj e produtor Stefan Kozalla aka “DJ Koze”.
Na estrada trabalhando com música há mais de uma década ele fez uma reunião de seus melhores remixes.
O som é rotulado de “minimal” porém na minha opinião o som que esse cara produz vai muito além disso, possui um estilo peculiar em fazer música, faz um som sem barreiras, se destacando das demais produções do estilo, por não ter uma “formula” já pré-pronta, cada track tem seu estilo único, não ficando somente naquele conta-gotas, que ás vezes convenhamos, cansa.
O álbum começa com uma intro ‘simpática’ com uma voz mecânica, robótica, daquelas de ‘help’ de pcs. “Hi friends, how are you? I’m Dj Koze and I’m sitting in my studio in Hamburg, drinking red wine, collecting my best remixes for you, for those who like this kind of music, the music is very good.”
“Matthew Dear – Elementary Lover (Dj KozeRremix)” dá start na viagem e percebemos que se trata de um produtor realmente diferenciado, track gostosa de se ouvir, vocais picotados, daquelas de apreciar cada barulhinho que sai do fone. Seguida por “Dj Koze Vs Sid Le Rock – Naked (Dj Koze Remix)” intensa, sexy, em clima de deephouse. “The Battles – Atlas (Dj Koze Remix)” hipnotzante.
“Heiko Voss – Think About You (Dj Koze Remix)” um dos destaques do cd, sem dúvida, simples porém marcante, daquelas ficam no ouvido, linhas de baixos estonteantes, seguida pelo vocal que dá nome a track “think about you, all the time”, e foi produzida em 2003, aqui funciona o bordão música boa não envelhece.
“Matias Aguayo – Minimal (Dj Koze Remix)” faixa que fez bastante sucesso em 2008 e que no remix de Koze, ela fica mais sexy, ganha sutileza, classe, outro destaque aqui. “Por que yo quiero bailar con un ritmo mas nocturno mas profundo mas sensual basta ya de minimal!”.
“Noze feat Dani Siciliano – Danse Avec Moi (Dj Koze Rework)”, vocais em francês, sensual, com direito a parada com palminhas e cornetas, pessoas ao fundo celebrando.
Na sequência de “Lawrence – Rabbit Tube (Dj Koze Remix)” e “Wechsel Garland – Mutes (Dj Koze’s Broken Cd Mix)”, chegamos a parte mais minimal do álbum, introspectivas, sérias, daquelas pra dançar cara fechada.

“Ben watt – Guinea Pig (Dj Koze Remix) clima de mistério, suspense,  “Malaria – Kaltes Klares Wasser (Dj Koze & The Tease Rmx)” vem depois com todo seu groove, bassline pesaaado, característica essa que notei nas tracks mais antigas do produtor, essa por exemplo de 2001. Com seus quase 10min, “Sasha Funke – Mango Cookie (Dj Koze’s Pink Moon Remix)” minimalistica, linhas de baixo pesadas, tensa. E fechando o álbum “Hildegard Knef – Ich Liebe Dich (Dj Koze Remix)” que assim como “Wechsel Garland – Swim (Kosi’s swi-edit)” cairia muito bem na soundtrack de algum filme cult.
Pra quem não conhecia o som desse alemão, pra quem é fã de música eletrônica, pra ouvir em casa, pra dançar, está aí uma ótima pedida, com certeza não vai se arrepender com esse lançamento, e também estava faltando falar de algo essencialmente eletrônico aqui no blog e este álbum veio pra abrir o caminho. Abaixo uma track do último ep de Koze e que foi bastante tocada ano passado.

Tracklist:

01. Hi Friends!
02. Matthew Dear – Elementary Lover (DJ Koze Remix)
03. Dj Koze vs Sid Le Rok – Naked (DJ Koze Rmx)
04. Battles – Atlas (DJ Koze Remix)
05. Heiko Voss – Think About You (DJ Koze Remix)
06. Matias Aguayo – Minimal (DJ Koze Remix)
07. Wechsel Garland – Swim (Kosi’s Swim Edit)
08. Nóze ft Dani Siciliano – Danse Avec Moi (DJ Koze Rework)
09. Lawrence – Rabbit Tube (DJ Koze Remix)
10. Wechsel Garland – Mutes (DJ Koze’s Broken CD Mix)
11. Ben Watt – Guinea Pig (Vocal Variation with Julia Biel) (DJ Koze Remix)
12. Malaria! Vs Chicks On Speed – Kaltes Klares Wasser (DJ Koze & The Tease Remix)
13. Sascha Funke – Mango Cookie (DJ Koze’s Pink Moon Remix)
14. Hildegard Knef – Ich Liebe Euch (DJ Koze Remix)

dj_koze_ianuarie11

Thiago



Yeah Yeah Yeahs – It´s Blitz! by ThiagoAugusto
março 27, 2009, 3:16 am
Filed under: Review | Tags: , , ,
Cada vez mais a combinação de elementos do rock e da música eletrônica se tornam mais comuns, bandas que antes eram puramente rock, guitarra, baixo, bateria e vocal, agora acrescentam sintetizadores e linhas de beats eletronicos, é assim que ocorre o retorno do Yeah Yeah Yeahs com seu terceiro álbum “It´s Blitz”

yeah-yeah-yeahs-its-blitz

Há alguns anos atrás quando se falava em YYY’s nos tempos de “Fever to Tell” (2003) primeiro álbum da banda, logo se pensava no ritmo frenético de sua música, gemidos, gritos histéricos e poderosos de Karen O.  Sonoridade crua, suja, vibrante, Nick Zinner nas guitarras e Brian Chase na bateria flertando com o punkrock.

Depois veio o segundo álbum “Show Your Bones” (2006), e o som frenético havia cedido espaço também as baladas, o som ficou mais trabalhado, mostrava que a banda estava amadurecendo e deixando um pouco aquele espírito de banda garage/punk/underground de lado. Era o caminho sendo aberto para o mainstream, hits não faltaram no álbum como “Gold Lion”, “Way Out”, “Honeybear”, “Cheated Hearts”, “Turn Into” só pra citar algumas, dá pra notar que o álbum foi um sucesso né?

Agora em 2009 o trio retorna com “It’s Blitz” pra se firmar ainda mais como banda forte no cenário nova-iorquino e mundial, mostrar mais uma vez o amadurecimento, novamente “reinventando” seu som e agora acrescentando sem medo elementos eletrônicos no seu som.

zero1

Na primeiro música do álbum já temos o primeiro single e hit “Zero” elétrica, com refrão pra cantar a todos pulmões e que você não vai esquecer tão cedo. “Your zero What’s your name? No one’s gonna ask you Better find out where they want you to go”. Com direito a falsetes e gemidos da inconfundível voz de Karen O.

“Heads Will Roll” com certeza vai rolar em muitas pistas, dançante, melódica, Karen O já tratando de anunciar durante os synths da intro do que se trata “Off off with your head Dance dance ‘til you’re dead Heads will roll On the floor.”

yyysDepois temos as baladas “Soft Shock” e a romântica e melódica “Skeletons”.A energia retorna com a ótima “Dull Life” que no início nos engana passando à sensação de vir mais uma das calminhas, mais não, a pegada rocknroll logo toma conta da música, e como fez bem, depois de um início mais light, ouvir a banda funcionando como uma ‘simples’ banda de rock. “Shame and Fortune” funciona por assim dizer como ‘abertura’ pra próxima, “Runaway” que começa no piano com a voz de Karen O, e logo a música vai ganhando mais elementos, como se uma sinfônica entrasse e deixasse a música apocalíptica. Todo amadurecimento que foi tratado até aqui é sintetizado nessa faixa, instrumental impecável e lindas melodias. Se prepare para dançar novamente porque ai vem “Dragon Queen” com um groove para fazer chacoalhar o esqueleto. “Hysteric” aparece e chama uma atenção especial, bateria cadenciada, vocais em destaque de Karen O, refrão forte “Flow sweetly hang heavy You suddenly complete me”, alguns gritos de “hysteric” e fechando com um assovio anunciando que estamos chegando no final e que só resta mais uma faixa. “Little Shadow” que começa com violão e voz, tranquila e com clima de despedida mesmo e assim fecha o álbum.

karenoFalando do YYY’s no decorrer de sua discografia, no primeiro álbum a banda ganhou muitos fãs que gostavam, se atraiam por aquele som cru, histérico, com pegada punk, já com o segundo álbum a banda respirando novos ares, os fãs da fase anterior que resistiram e continuaram admirando o trabalho do trio,(faço parte desses) e também os novos fãs conquistados com o trabalho posterior, vão sim gostar e muito desse novo álbum, que apesar de um sonoridade diferente, ainda sim continua sendo Yeah Yeah Yeahs, e grande parte devo citar, deve-se a rockstar que se tornou a Karen O, toda malucona, carismática e suas apresentações performáticas. Esse terceiro álbum se junta aos outros já lançados e também ótimos. Tendo cada um seu estilo e o mais importante, qualidade. Ponto pro YYY’s!

Yeah Yeah Yeahs – Heads Will Roll

Yeah Yeah Yeahs – Runaway

Yeah Yeah Yeahs – Hysteric

Tracklist:

1. Zero
2. Heads Will Roll
3. Soft Shock
4. Skeletons
5. Dull Life
6. Shame and Fortune
7. Runaway
8. Dragon Queen
9. Hysteric
10. Little Shadow

Thiago



In Flagranti – Brash & Vulgar by ThiagoAugusto
março 25, 2009, 5:14 pm
Filed under: Review | Tags: , , , , , ,

inflaintro

Dessa vez venho postar essa dica do novo álbum do In Flagranti “Brash & Vulgar”.
Pra você que está atrás de um álbum animado, climão disco, dançante, retro, funkeado, electro, sexy, italo, rock, recomendo o segundo álbum desse duo Sasha Crnobrnja e Alex Gloor de Nova Iorke que vem produzindo música juntos há mais de 15 anos, o sucessor de “Wronger Than Everyone Else”(2006), vem reforçar o estilo descontraído-vintage-futurístico do projeto. 

E não se assuste com a capa(no final do post) porque a loira ali não retrata o que nos espera, pelo contrário, o álbum sim, tem todo charme e classe. Aliás, falando da capa, o CD foi lançado pela própria gravadora dos caras, Codek Records que é conhecida e aclamada também pela arte, design, criatividade e ousadia de suas capas.

O disco começa com o sample “give some motion” sendo repetido em “She Bend Each Leg Alternately” e com um grito alá Michael Jackson durante toda a faixa.

In Flagranti – She Bend Each Leg Alternately

Na faixa que leva o título do álbum, “Brash & Vulgar” destaco os breaks seguidos pelos samples “…and you know the sound of the ending of the records with when” “the people went mad when they heard that…” seguidas por uma batida de deixar louca a pista mesmo.

In Flagranti – Brash & Vulgar

Na safada “I Can Thrill & Delight” não faltam gemidos, letras sacanas e afins.

In Flagranti – I Can Thrill & Delight

“A Piece of False Morality” vem com baixo pesado, cheia de groove, os famosos “triangulinhos” marca registrada do projeto, faixa que seria perfeita pra um desfile de pin-ups.

In Flagranti – A Piece of False Morality

E  a partir da punkdiscorock “Pick a Trick”, chega a parte mais viajandona do álbum onde a italo/disco/space predominam. Ótimo por sinal.

infla21

“Brash & Vulgar” vem pra selar o incontestável talento dessa dupla, e que toda essa mistura de estilos, no papel pode soar estranho, mas eles fazem de maneira natural, e muito criativa, contando uma história no decorrer do álbum, fazendo que seus quase 50min passem voando e no fim nos dando a impressão de termos passado por um túneo do tempo hi-tech, onde voltamos ao passado e depois viajamos pro futuro.

Tracklist:

01. She Bend Each Leg Alternately
02. Brash & Vulgar
03. A Little Something “Extra”
04. I Can Thrill & Delight
05. A Piece of False Morality
06. Black & Grey Striped Trousers
07. Svelte Blonde
08. Pick a Trick
09. It Was Like Nothing Before or Since
10. I Hadn’t Screwed Around Before
11. Ohh, I’ll Have to Lose Weight Luv
12. How Did the Affair End?

capa

Thiago



Lip Dub by sweetromancer
março 24, 2009, 3:36 am
Filed under: Uncategorized | Tags: , , ,
Sabe aqueles seus banhos intermináveis em que você se sente o Elvis Presley e com seu microfone (frasco de shampoo) deixa fluir todo o seu potencial musical? Então, sabia que dá pra você usar esse seu dom artístico pra fazer sucesso na rede? Isso se chama Lip Dub, a técnica de sincronizar movimentos labiais com uma música para fazer um videoclip. A idéia surgiu a aproximadamente dois anos, quando o criador do Vimeo – Jakob Lodwick – filmou a si mesmo cantando pela rua. 

Mas se popularizou mesmo com o vídeo feito pela galera do escritório da própria Vimeo

O conceito é tão simples quanto a produção do vídeo. Não precisa ser nenhum Spielberg, muito pelo contrário, quanto mais natural e espontâneo for o vídeo melhor e mais original. Escolha sua música favorita, aumente o volume, cante até você sentir o coração bater junto com o ritmo, chame uns amigos pra cantar com você, usem uma câmera apenas, editem o vídeo para retirar o áudio original e sincronizar a música (mas não encha de efeitos, lembre-se que o legal é não ter efeitos), carregue no youtube. 

Viu como é simples e barato ser criativo? E se  seu vídeo for realmente bom, logo você vai estar famoso. Por exemplo, eu descobri Lip Dub por meio do Twitter do Mika, ele adorou o vídeo que os estudantes da HEC fizeram pra música Lollipop. 

Procure por “Lip Dub” no Youtube, você vai encontrar muitas músicas que não ouvia a muito tempo com novas e criativas interpretações. E, óbvio, não deixe de fazer parte.

Divirta-se!



Moderat by ThiagoAugusto
março 23, 2009, 6:40 pm
Filed under: Review | Tags: , , , , ,

moderat51

Pronto, chegou a hora de falar de um dos mais esperados do ano “Moderat” com álbum homônimo.

Trata-se da parceria de Modeselektor e Apparat, ambos os projetos alemães na qual realmente considero incríveis, e aqui está a explicação do porque da minha expectativa pra esse álbum.

mode4

Começando pelo “MDSLKTR” formado em 1992 por Gernot Bronsert & Sebastian Szary,  fazem um mix de techno, grime, dubstep, hiphop e electro, um som pra se dizer inclassificável, com dois álbums já lançados “Hello Mom!”(2005) e “Happy Birthday!”(2007) lançados pela Bpitch Control e que recomendo demais. Fato é que considero o som desses caras uma bomba, com destaque para as poderosas linhas de basslines, dê só uma olhada no que eles aprontam em “Black Block”.

thom3

E aproveitando a onda Radiohead devido aos shows no Brasil (mais um que vai pra lista dos que eu não vi), o MDSLKTR está no top de melhores bandas de nada mais nada menos do que Thom Yorke, que inclusive faz participação no segundo álbum dos caras na faixa “The White Flash”.

Modeselektor – The White Flash (feat. Thom Yorke)

90_2611-apparatJá o Apparat projeto de Sascha Ring, conheci através do álbum “Orchestra of Bubbles”(2006) que é a parceria dele com Ellen Allien e não poderia haver apresentação melhor, já que o álbum todo é uma obra-prima(figurou em várias listas como melhor do ano), e que ainda continua, claro, muito ouvido por aqui. Depois no ano seguinte veio o álbum de autoria própria  “Walls”(2007), onde pude confirmar a identidade do projeto, um som mais introspectivo, menos dançante, orgânico, cheio de sentimentos, sensualidade, batidas quebradas, melodias. Em “Walls” não faltam destaques como “Arcadia”, “Hailin from the Edge”, “Holdon”, “You Don’t Know Me” e por ai vai…

 

Bom, dei uma resumida no trabalho dos envolvidos no Moderat, para se ter uma noção do que esperar deste álbum, e sim, minhas expectativas foram atendidas, porque como já esperava está genial.

Ficava imaginando como iria soar a junção do som desses dois monstros, e logo na primeira faixa vem a resposta, “A New Error” tem todo o poder do bassline com a sutileza das melodias, melhor apresentação não seria possível.

Moderat – A New Error

Seguida pela linda “Rusty Nails” (primeiro single) com características mais “apparatianas”, batidas quebradas, vocais e melodias de arrepiar.
E que terá remixes de Shackleton e Booka Shade.

Moderat – Rusty Nails

Chega a vez de “Slow Match” essa já na linha “mdslktriana” grave forte, batidas sujas, participação nos vocais de Paul St. Hilaire, que ja havia trabalhado no segundo álbum deles.

Moderat – Slow Match (feat. Paul St. Hilaire)

“Sick With It” poderia até rolar numa rádio, com um clima mais pop, participação nos vocais de Dellé, refrão que fica na cabeça.

Moderat – Sick With It (feat. Dellé aka Eased from Seeed)

Chegando aos finais “No. 22” vem num clima de suspense, séria, com seus 1m15 de intro até entrar o dubstep, batidas e graves potentes, pra fazer as caixas tremerem. E seguindo a linha de como tudo começou “Out of Sight” fecha o álbum com chave de ouro, vocais que dá sensação de calma, leveza à música e também com batidas que remetem ao dubstep/2step.

Ainda devido problemas de licença ficou de fora “BeatsWaySick” com participação do rapper Busdriver, mas que será lançada em breve em forma de download exclusivo.

E será lançado em breve também uma edição limitada em DVD do álbum, assinado pelo coletivo de artistas “Pfadfinderei” que irá conter vídeos do projeto e também material exclusivo.

moderat

Esse é realmente um dos grandes lançamentos do ano, que com certeza vai figurar nas listas de melhores, um álbum que assim como nos projetos individuais de seus criadores, cabem vários contextos musicais, o peso e a robustez de um com o ambientalismo e melodias de outro, ambos imprimindo e expondo em cada faixa sua própria identidade.

Tracklist:
01. A New Error
02. Rusty Nails
03. Seamonkey
04. Slow Match (feat. Paul St. Hilaire)
05. 3 Minutes Of
06. Nasty Silence
07. Sick With It (feat. Dellé aka Eased from Seeed)
08. Porc # 1
09. Porc # 2
10. No. 22
11. Out Of Sight

moderatcapa1


 

Thiago